Utilidades › REAs da TMA-SP
Guia: Novas REAs da Terminal São Paulo

Com a entrada em vigor da AIC 23/13 em 12 de Dezembro de 2013, todo o voo na Terminal São Paulo através das Rotas Especiais de Aeronaves sofreu alteração, seja pelos procedimentos, rotas ou novas referências. A seguir se encontra uma síntese dinâmica produzia por Ranzini e Satoshi, que inicialmente foi produzida para uma apresentação em slides sobre o assunto, e logo após foi cedida para publicação no Canal Piloto por Rodrigo Satoshi. O material a seguir foi baseado na apresentação citada e conta apenas com pequenas adaptações para se adequar aos padrões de publicação. Se você voa ou pretende voar pelos Corredores da TMA-SP, não deixe de ler, a seguir estão não apenas as informações oficiais mas também diversos conselhos e dicas que foram adquiridos pela experiência de quem voa nessa área diariamente.

Finalidade

Disciplinar o tráfego de aeronaves voando VFR sob a TMA-São Paulo, na CTR-São Paulo 1, CTR-São Paulo 2 e CTR-São Paulo 3, CTR-São Paulo 4, CTR-São Paulo 5 e CTR-São Paulo 6, alocando volumes de espaços aéreos com limitações horizontais e verticais, mediante a utilização de Rotas Especiais de Aviões em voo visual (REA) e Rotas Especiais para Helicópteros (REH), de tal forma a:

  • Evitar interferência com o tráfego IFR dos aeródromos de Congonhas, Guarulhos, Campinas, e São José dos Campos;
  • Possibilitar a circulação de helicópteros nas CTR-São Paulo 1, CTR-São Paulo 2, CTR São Paulo 3, CTR-São Paulo 4, CTR-São Paulo 5 e CTR-São Paulo 6, sem causar interferência nas demais operações aéreas;
  • Proporcionar trajetórias de voo com o máximo de áreas livres no solo, onde o helicóptero possa efetuar um pouso de emergência, com o mínimo risco possível para as pessoas e propriedades;
  • Considerar as características desses voos na prestação do ATC; e
  • Minimizar os efeitos ocasionados pelo ruído dessas aeronaves.

Âmbito

As disposições contidas nesta AIC aplicam-se aos órgãos do SISCEAB com jurisdição sobre os espaços aéreos envolvidos e ao tráfego aéreo VFR de:

  • Aviões em circulação por VFR nas TMA-São Paulo 2, TMA-São Paulo 3, CTR-São Paulo 2, CTR-São Paulo 3, CTR-São Paulo 4, CTR-São Paulo 5, CTR-São Paulo 6 e nas projeções verticais das TMA-São Paulo 1, 2 e 3; e
  • Helicópteros em circulação VFR nas CTR-São Paulo 1, CTR-São Paulo 2, CTR-São Paulo 3,CTR-São Paulo 4, CTR-São Paulo 5, CTR-São Paulo 6 e nas projeções das TMA-São Paulo 1, 2 e 3.

(Para seguir se informando, clique aqui e leia o guia completo no Canal Piloto)